quarta-feira, 19 de abril de 2017

ATIVIDADE PARLAMENTAR:

GEORGE SOARES RECONHECE AÇÕES SOCIAIS DOS PREFEITOS DE SÃO GONÇALO E DE ASSU
O deputado estadual George Soares (PR) realizou pronunciamento nessa terça-feira (18), na Assembleia Legislativa do RN, reconhecendo ações sociais importantes de dois gestores municipais do Partido da República no RN.

O parlamentar parabenizou o prefeito Paulinho Emídio (PR), de São Gonçalo do Amarante, pela divulgação e defesa da campanha Lençol da família – doe um lençol e leve alegria, de iniciativa da Coteminas. A campanha tem o objetivo de atingir os mais necessitados com cobertores e levar um conforto àqueles menos favorecidos.

George Soares também reconheceu a ação social do prefeito republicano Gustavo Soares que entregou, na semana santa, seis toneladas de peixe às famílias mais carentes de Assú.

“Os prefeitos Gustavo e Paulinho estão de parabéns pela aproximação com o social e a cidadania. Em Assú, há oito anos que o povo não recebia o peixe na semana santa e, nesse ano, com a nova gestão isso foi possível. Uma atitude louvável”, concluiu o deputado.

terça-feira, 18 de abril de 2017

EVENTO:

160 ANOS DO ESPIRITISMO É COMEMORADO PELOS ESPÍRITAS
ASSUENSES NESTE DIA 18 DE ABRIL
Neste 18 de abril, comemora-se 160 anos da publicação da primeira edição de O Livro dos Espíritos, em Paris (França).

Obra basilar do Espiritismo, foi organizado pelo eminente pedagogo e estudioso Hippolyte Léon Denizard Rivaill, sob o pseudônimo Allan Kardec. 

Desta forma, não é considerada obra de um homem, mas da espiritualidade. Allan Kardec, foi responsável em selecionar e organizar as revelações em sequência lógica, com bom senso e espírito crítico. 

O livro é estruturado em 1.019 questões elucidativas sobre temas tratados pelos Espíritos Superiores, tais quais: a imortalidade da alma, a natureza dos espíritos e suas relações com os homens, as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da Humanidade. Do seu conjunto monumental de conceitos e reflexões, surgiram a seguir, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese.

No Rio Grande do Norte, desde 1996, a referida data foi oficializada como o Dia do Espírita, aprovado com projeto de lei do legislativo e sancionado pelo executivo.

O Centro Espírita Sementes de Amor, localizado na rua Manoel Montenegro, 379, no Centro de Assú, promoverá nesta terça-feira (18) uma palestra comemorativa, que será proferida por Fernando de Sá Leitão, a partir das 20h. A entrada é franca.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

CULTURA:

ACADEMIA ASSUENSE DE LETRAS
ELEGE NOVA DIRETORIA
A Academia Assuense de Letras elegeu por unanimidade dos acadêmicos presentes, sábado, 15, a Diretoria que ficará à frente da instituição no decorrer do próximo biênio. O pleito verificou chapa única. Francisco José Costa dos Santos será o presidente. Ele substituirá o acadêmico Ivan Pinheiro Bezerra.
A diretoria eleita é formada pelos Acadêmicos Francisco José Costa dos Santos (Presidente); Fernando Antônio de Sá Leitão Morais (Vice-Presidente); Francisco Jobielson da Silva (Primeiro-Secretário); Alan Eugenio Dantas Freire (Segundo-Secretário); Auricéia Antunes de Lima (Primeiro-Tesoureiro); Francisco das Chagas Pinheiro (Segundo-Tesoureiro); e Antonio Alderi Dantas (Secretário de Comunicação).
Na oportunidade, foi eleito ainda o Conselho Fiscal composto por Francisco Wagner de Oliveira, Fernando Antonio Caldas e Joacir Rufino de Aquino.
Os poderes inerentes à nova Diretoria passarão a vigorar a partir do próximo dia 24, quando se encerra o mandato da atual diretoria.
--------------------------------
Academia Assuense de Letras
Secretaria de Comunicação

Foto: Dedé Ramalho

segunda-feira, 10 de abril de 2017

RELIGIÃO:

EM PROL DA DIOCESE DE ASSÚ
Por: Padre João Medeiros Filho
Há anos, católicos norte-rio-grandenses sonham com a criação de mais uma diocese no estado. Cresce a convicção da necessidade de repartir os atuais bispados. Segundo os últimos dados do Anuário Católico do Brasil, a Paraíba tem atualmente cinco circunscrições eclesiásticas: João Pessoa, Cajazeiras, Campina Grande, Patos e Guarabira. Juntas somam uma população estimada em 3,9 milhões de habitantes, com uma média de 792 mil pessoas por diocese. O Rio Grande do Norte possui três bispados (Natal, Mossoró e Caicó) contando 3,6 milhões de fiéis, o que resulta na média de um milhão e duzentos mil por diocese.
          Das vinte e uma circunscrições que integram o Regional Nordeste II da CNBB (compreende AL, PE, PB e RN), Natal é a segunda mais populosa e extensa em área, totalizando cerca de 2,3 milhões de habitantes em 25.153 km², apenas abaixo do arcebispado de Olinda e Recife, que detém 3,9 milhões de habitantes, ocupando uma faixa territorial de 4.058 km².
          Quando pároco de Assú, padre Francisco Canindé, em entrevista ao Jornal “A Verdade”, concedida em 2001, comentava as distâncias de sua paróquia e a realidade demográfica da região. Falou da necessidade de uma sé diocesana em Assú. Sabe-se que a densidade populacional dos bispados potiguares supera a média regional (933 mil pessoas por circunscrição eclesiástica), sendo superior à de muitos estados brasileiros. Caso seja criada mais uma sede episcopal no RN, haveria ainda, nos dias de hoje, 870 mil habitantes por circunscrição eclesiástica, ultrapassando a média nacional de 746 mil fiéis por diocese. É relevante também o fator das distâncias: São Rafael, por exemplo, está situada a 205 km da sede do arcebispado.
Assú é polo regional, em torno do qual gravitam vários municípios. Sua vocação de liderança manifesta-se pelo comércio e indústria, pela atividade agropastoril, fruticultura e oferta de serviços. Trata-se de um centro educacional com instituições de ensino públicas e privadas de nível fundamental, médio e superior. Acolhe inúmeros servidores de empresas sediadas em cidades próximas e que têm sua vida familiar, social, financeira e religiosa na chamada “Terra dos Poetas”.
Esta possui hoje uma população cinco vezes maior do que a de Caicó, quando da criação do bispado e quase o triplo de habitantes de Mossoró, ao se tornar sede episcopal. E Natal, ao ser alçada a essa condição, tinha menos de trinta mil pessoas.
Os atuais bispos potiguares fixarão critérios para os limites e a organização de uma futura diocese. No entanto, ´patente a influência de Assú sobre municípios próximos, como: Porto do Mangue, Carnaubais, Ipanguaçu, Pendências, Alto do Rodrigues, Itajá, são Rafael, Afonso Bezerra, Angicos, Fernando Pedrosa, Pedro Avelino, Paraú, Triunfo Potiguar, campo Grande e outros. Caicó ao ser elevada à diocese em 1939, incluía apenas dez municípios, oito paróquias, oito sacerdotes e uma população inferior a 120 mil habitantes.
Hoje, tendo em vista a visão pós-conciliar da Igreja, o aumento de evangélicos, a exigência de um melhor atendimento ao Povo de Deus, urge ser erigida mais uma diocese. E Assú preenche os requisitos. É a segunda paróquia de nosso estado, criada em 1726, no episcopado de Dom José de Fialho, ainda no Brasil Colônia, integrando o bispado de Olinda ao qual pertencia o RN.
É reconhecida a liderança e vocação cultural de Assú, bem como sua importância socioeconômica para o estado, influenciando os municípios circunvizinhos, que totalizam uma população de mais de trezentos mil habitantes. Portanto, a criação da diocese de Assú precisa ser concretizada, elevando a secular Igreja de São João Batista à condição de catedral. Em nome do amor à Igreja e para o bem dos fiéis, nada mais justo que as atuais circunscrições venham a compartilhar seus territórios e clero com o futuro bispado. Uma nova diocese potiguar depende muito da vontade e decisão dos bispos da nossa província eclesiástica.
Confiamos na intercessão de Nossa Senhora, São João Batista e da bem-aventurada Lindalva, que cuida de sua terra junto de Deus!

Fonte: Tribuna do Norte – Opinião.   
Foto: SiteCidades.com

quinta-feira, 30 de março de 2017

ARTIGO:

LAGOA DO PIATÓ

A Lagoa do Piató, localizada no município de Assu, na margem esquerda do Rio Piranhas/Assu-RN, encontra-se sob as coordenadas geográficas de 37º log. WG e 5º 30’lat. S, abrange uma área em torno de 18km de extensão por 2,5 de largura e 10m de profundidade na época das cheias.
A pesca artesanal constitui-se como a principal fonte de renda e sustento para as cinco comunidades localizadas no entorno da Lagoa do Piató (Porto Piató, Areia Branca, Bela Vista, Banguê e Olho d’água), com uma população de aproximadamente 600 famílias. Tais populações alternam entre a pesca e a agricultura de subsistência, dividindo seu tempo entre o cultivo de alimentos, a captura do peixe e a confecção e remendo das redes de pesca. No período que vai de outubro a fevereiro se tem a maior produção pesqueira. A distribuição das atividades produtivas ligadas à pesca e agricultura depende da determinação climática, sendo o período de estiagem favorável à pesca e o chuvoso à agricultura.

A seca, além de ser um problema climático, é uma situação que gera dificuldades sociais para as pessoas que habitam na localidade, porém é um fenômeno natural para o semiárido do Nordeste Brasileiro. Com a escassez d’água, torna-se impossível o desenvolvimento da agricultura e da pesca local. Desta forma, a seca provoca a ausência de recursos econômicos, gerando fome, miséria, impotência e vulnerabilidade da população.

Muitas vezes, as pessoas precisam andar durante horas, sob sol inclemente e forte calor, para conseguir ter acesso a água, por vezes suja e contaminada.

A Lagoa do Piató é o maior reservatório natural d’água doce do Rio Grande do Norte, no ano de 2014 atingiu o seu nível mais crítico dos últimos anos, ou seja, SECOU, afetando sensivelmente, cerca de 3 mil pessoas que utilizam as águas e o ecossistema da Lagoa como fonte de renda.

A proposta de revitalização da Lagoa do PIató inclui a participação da Comunidade, Classe Acadêmica do Rio Grande do Norte, Governo do Estado e União, e contempla estudos e ações, no que concerne ao desassoreamento da área da bacia, reflorestamento das margens com plantas nativas, recompondo a mata ciliar, desobstrução do canal do Rio Panon e estudo de viabilidade técnica da construção de uma estação elevatória no Rio Piranhas/Assu, com um canal de alvenaria até a Lagoa.

Neste sentido, está lançado o desafio ao Secretário de Recursos Hídricos e Meio Ambiente, Ivan Lopes Junior, homem de imenso prestigio junto ao Governo do Estado, fazer as ações propostas acontecerem levando a sério os anseios da população que vivem no entorno da lagoa, evitando o populismo político do Governador Robson Farias, que em 05 de janeiro de 2015, chegou a afirmar em reunião na comunidade do Porto do Piató, que em 30 dias resolveria o problema da Lagoa, fazendo a população acreditar em tal bravata.
Assu-RN, 29 de março de 2017.
Antonio de Paula Batista

segunda-feira, 27 de março de 2017

CULTURA:

MAZINHO, REGINA E IVAN PINHEIRO NA
CASA DO CORDEL
É sempre uma alegria poder reencontrar os amigos Mazinho e Regina - músicos que frequentam a Casa do Cordel para trocar experiências em tardes animadas com músicas, recitais de poemas e cordéis, acompanhados pelo som do violão ou bandolim. 
Esses artistas, que residem em solo potiguar, também aproveitam o ensejo para "jogarem conversas fora". Afinal, ninguém é de ferro. Umas boas gargalhadas, provocadas pelas contações de causos, sempre fazem muito bem. 

quinta-feira, 23 de março de 2017

ATIVIDADE PARLAMENTAR:

DEPUTADO GEORGE SOARES É ELEITO PRESIDENTE DA COMISSÃO DE FINANÇAS E FISCALIZAÇÃO DA ALRN
Após reunião realizada na manhã desta quarta-feira (22), o deputado estadual George Soares (PR) foi eleito, por unanimidade, como o novo presidente da Comissão de Finanças e Fiscalização (CFF) da Assembleia Legislativa do RN (ALRN).

“Agradecemos nossos pares pela confiança. É um desafio que encaramos com muita responsabilidade, assim como foi quando recebemos, no ano passado, a missão de relatar o Orçamento estadual. Faremos o melhor para atender a nossa população, respeitando sempre a administração pública”, ressaltou o parlamentar do PR.

A Comissão de Finanças e Fiscalização é uma das mais importantes da ALRN, sendo responsável pela análise e aprovação do Orçamento Geral do Estado, além de outras matérias com competências tributárias e financeiras.
--
Assessoria de Imprensa do Deputado Estadual George Soares

quarta-feira, 22 de março de 2017

AÇÃO PARLAMENTAR:

GEORGE SOARES SOLICITA TOMBAMENTO DA CASA GRANDE DO MAJOR MONTENEGRO EM IPANGUAÇU
O deputado estadual George Soares (PR) solicitou, através de requerimento ao Governador do RN e a Diretoria Geral da Fundação José Augusto, apresentado nesta terça (21) na Assembleia do Estado, a abertura de processo para tombamento da CASA GRANDE DA FAZENDA ITU, situada na zona rural de Ipanguaçu e que pertenceu ao ex-deputado, Manoel de Melo Montenegro - Major Montenegro.

O casarão foi construído há aproximadamente 200 anos e foi adquirido recentemente pelo INCRA. Faz parte da história social e econômica dos municípios de Santana do Matos e Ipanguaçu uma vez que seu dono, Major Manoel de Melo Montenegro foi líder político dos municípios citados.

“A Casa Grande do Major encontra-se em um estado difícil por não haver reparos. Boa parte da sua estrutura física corre o risco de cair, por falta de manutenção. Sua estrutura física poderia ser utilizada na implantação de um ‘Memorial do Major Montenegro’; ‘Museu do Sertanejo do Vale do Açu’ ou ainda para um Centro Cultural", justificou o parlamentar.
--
Assessoria de Imprensa do Deputado Estadual George Soares

segunda-feira, 13 de março de 2017

TALENTO ASSUENSE:

MESTRE ETEWALDO

A história do escultor de obras como a estátua de Iemanjá, na Praia do Meio, e do “beijo” de um casal de namorados, no Parque das Dunas, é de superação e talento nato.
Por Rafael Barbosa
UM GAROTINHO QUE SAIU DE ASSÚ, no interior do Rio Grande do Norte, para a capital do estado com a família, nos anos de 1940, cresceu e conquistou reconhecimento por meio da cultura popular. O mestre Etewaldo Cruz Santiago teria completado 78 anos em 14 de janeiro, se vivo estivesse. Ele deixou para Natal cartões postais como a estátua de Iemanjá, na Praia do Meio, e a do casal de namorados, exposta no Parque das Dunas, apesar de pouca gente saber que as obras são de sai autoria. Entre o legado, deixou também o filho Edvaldo, artesão apaixonado como ele e divulgador incansável do trabalho do pai.
O assuense de origem humilde começou ainda na infância a dar os primeiros passos no desenvolvimento das artes manuais. “Ele dizia que foi a avó dele a primeira pessoa a reconhecê-lo como artista”, recorda Edvaldo Santiago. Etewaldo observava a avó, que era rendeira, enquanto ela fazia alfenim, um doce comum no Nordeste brasileiro. Com a massa branca de açúcar, ele moldava pequenas miniaturas de patos. Aí a avó dele dizia “esse menino tem jeito pra artista. Faça mais”, conta o filho.

Ainda pequeno, partiu com os pais para Natal, em busca de melhores oportunidades de vida. Era época da Segunda Guerra Mundial. O pai Etewaldo trabalhou na Base Aérea abrindo estradas para os militares. “Ele contava que ainda pequenininho ia para a Ribeira, via os aviões no Rio Potengi”, relata Edvaldo. 

Até então, o contato maior com o artesanato que o mestre tinha era na fabricação dos próprios brinquedos, com peças de madeira. O menino foi crescendo e, adolescente, se viu diante da necessidade de ajudar em casa. Edvaldo conta que o pai foi trabalhar também na Base Militar. Dispondo de facilidade para o desenho, ajudava os mestres de obras na confecção de plantas baixas e demais serviços relacionados a essa arte. “Ele sempre gostou de arte”

Etewaldo foi ainda entregador de revistas, trabalhou no Corpo de Bombeiros e, entre um trabalho e outro, conheceu Dona Eliete. Foi numa igreja evangélica que se apaixonou pela viúva que se tornou sua companheira até o fim da vida. Com ela constituiu família e continuou morando em Natal, onde nasceram seus dois primeiros filhos. Edvaldo é o segundo dos nove filhos do casal. Ele recorda de ouvir, ainda criança, o pai dizer repetidas vezes que tinha vontade de conhecer a cidade de Ceará-Mirim. Naquele tempo não era fácil visitar uma cidade vizinha, diferentemente de hoje. 

RELAÇÃO COM CEARÁ-MIRIM 

“Ele caçava com um amigo, que dizia que Natal não tinha muito bicho para a prática, mas em Ceará-Mirim tinha mais, e tinha o chamado veado campeiro, que era o animal maior que o caçador podia pegar”, lembra Edvaldo. Foi assim que começou a relação do escultor com a cidade da Grande Natal, onde depois foi radicado e reconhecido como artista. 

Em um certo dia no final da década de 1960, o tal amigo caçador então propôs a Etewaldo que lhe ajudasse a levar uma encomenda para Ceará-Mirim. O mestre topou a proposta de trabalho, muito mais pelo desejo de conhecer o município. Quando chegou ao Centro da cidade, ficou encantado com o mercado público, o prédio da prefeitura. A arquitetura colonial deixou o artista embasbacado e ele decidiu que queria se estabelecer ali com a família. Não contou conversa: conseguiu contato com o pároco, que lhe arrumou uma morada de aluguel, um primeiro andar perto da estação do trem. 

Em Ceará-Mirim, o mestre Etewaldo se virava para sustentar os filhos com fotografia. Fazia foto 3x4 e também trabalhava com restauração e ampliação fotográfica. Ele fazia o que hoje faz o programa PhotoShop, só que à mão. O filho conta que, depois de ampliar a foto, o mestre consertava as falhas pintando a imagem. “Ele também colocava joias e dentes de ouro quando as pessoas pediam. Era um trabalho incrível, ficava perfeito”, detalha. 

ESCULTURAS DE ARGILA – O INÍCIO
Foi na época de fotografias em Ceará-Mirim que surgiu a proposta do cunhado Januário, também artista. “Meu tio disse a ele que era melhor começar a trabalhar com argila, era uma coisa que se fazia pouco ainda por aqui, e ele o convenceu que levava jeito”, relata Edvaldo. A família estava crescendo e o patriarca precisava de uma fonte de renda além da fotografia para conseguir pagar as contas. Então começou a praticar a nova arte: escultura de argila.

Em 1971, acompanhado de Januário, Etewaldo seguiu para São Paulo vender suas primeiras produções. Foi um sucesso na Praça da República. Muito mais desenvolvida e culturalmente ativa, a capital paulista consumia arte de maneira mais ávida do que Natal e o Rio Grande do Norte.

As estatuetas do mestre Etewaldo se esgotaram e ele voltou feliz para casa, certo de que dali sairia mais uma fonte de sustento. As viagens se repetiram e o artesão sertanejo de Assú passou a ficar conhecido fora do estado. Contudo, faltava ganhar prestígio no RN. 

A FOTOGRAFIA PARA JORNAL E A PROJEÇÃO ARTÍSTICA PARA O RN.
Apesar de já conseguir tirar algum dinheiro do artesanato, o assuense permaneceu com o trabalho fotográfico. Com fontes na delegacia local, o fotógrafo da cidade era sempre comunicado quando algum crime ocorria nas cercanias próximas do município. Ele clicava os fatos e vendia para os jornais da capital.

“Uma vez chegou aqui um jornalista, Alexis Gurgel. Eu era menino. O jornalista veio aqui atrás de uma foto”, conta Edvaldo. Quando chegou à casa de Etewaldo, Alexis se deparou com o trabalho manual que o artesão produzia com argila. A pauta mudou o rumo.

O jornalista fez uma reportagem em que divulgou para o Rio Grande do Norte a arte do mestre Etewaldo de Ceará-Mirim. Dali em diante ele não parou mais. Edvaldo acompanhava de perto, mesmo criança, e afirma que foi depois da matéria veiculada no jornal que o pai começou a receber convites para participar de feiras e encomendas para produção de estátuas e bustos. 

A cada dia, o ofício da fotografia ficava mais a cargo de Dona Eliete, pois aumentavam as viagens e convites para exposições. Edvaldo diz que logo no começo da TV Universitária foi ao ar uma matéria com seu pai. A família se reuniu toda na casa de um vizinho que tinha televisão para acompanhar a entrevista. “O povo começou a dizer: rapaz, Seu Etewaldo tá importante mesmo, saindo na televisão”. Ele se tornou ícone da cultura em Ceará-Mirim. As obras de arte nas praças, o painel que mostrava a cultura da cana-de-açúcar, atividade comum à cidade, a estátua do caboclo na entrada de Ceará-Mirim, tudo foi o mestre Etewaldo Cruz Santiago quem produziu. 

DO NU ARTÍSTICO PARA O BEIJO 
Foi nos anos de 1970 também que o artesão foi convidado, pelo jornalista Paulo Macedo, para confeccionar a estátua que enfeita o Parque das Dunas, naquela época chamado de Bosque dos Namorados. Edvaldo lembra que o pai contava que tinha a intenção, em um primeiro momento, de produzir um nu artístico nesta obra. Mas foi alertado que poderia sofrer represálias da Ditadura Militar. “Aí ficou aquele beijo mais inocente”, acrescenta Edvaldo. O artesão passou a ser procurado pela elite potiguar para produção de peças particulares. De acordo com o que conta Edvaldo, até o ex-governador Geraldo Melo contratou os serviços do mestre Etewaldo. “Fez para ele um São Francisco bem grande”, emendou.

Entre as obras públicas mais conhecidas, além da estátua dos namorados, estão a estátua de Iemanjá, os três Reis Magos construídos na praça da igreja do bairro de Santos Reis, e a homenagem a um famoso médico natalense que tinha costume de pescar peixe pampa, estátua que foi erguida na Praia do Meio, próximo a um posto de combustíveis e em frente ao Clube dos Pampas.

Ceará-Mirim, Taipú, João Câmara e Cerro-Corá também têm estátuas assinadas pelo mestre Etewaldo, eternizado em suas obras de argila e cimento Rio Grande do Norte afora.

FILHO, FÃ E APRENDIZ
A ascensão de Etewaldo Cruz Santiago provocava orgulho nos filhos e familiares. Um caboclo humilde do interior havia ganhado, com sua arte, as salas e jardins de personalidades importantes do RN. Edvaldo Santiago iniciara a moldar suas peças também, sob inspiração e influência do pai. Aos 19 anos de idade, quando ainda servia ao Exército Brasileiro, recebeu a ordem de um general para que convidasse Etewaldo para produzir um painel e um soldado que iriam ornar a frente do batalhão. Trata-se da obra que foi levantada na entrada da sede do 16º Batalhão de Infantaria Motorizada, na avenida Hermes da Fonseca, birro do Tirol, em Natal. 

Ao comunicar Etewaldo sobre o convite, Edvaldo recebeu a grata surpresa: o pai queria a sua ajuda. “Aí eu fui lá ajudar. E até ele assinou lá ‘Etewaldo e Edvaldo’. Eu não queria, mas ele disse que tinha que assinar com os dois”. Edvaldo abraçou arte para a sua vida também e, até hoje, vive de vender suas obras em feiras de artesanato como o pai fazia. A reprodução das mulheres rendeiras é o que mais sai, assim como era com Etewaldo.

Falecido em 2006, aos 67 anos de idade, por complicações no fígado, o mestre Etewaldo deixou sua obra espalhada por diferentes lugares do RN. Por aqui também ficou o aprendiz, contador de suas histórias e herdeiro do fazer artístico da família Santiago, o filho Edvaldo.

Transcrito da Revista Bzzz – Ano 4 / nº 43 / Janeiro de 2017 / páginas 16 a 21.
Fotos: Rafael Barbosa e Arquivo.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

LUTA PARLAMENTAR:

GEORGE SOARES COMEMORA SANÇÃO DO ORÇAMENTO 2017 COM RECURSOS PARA AMPLIAÇÃO DO SISTEMA APAC NO RN
Coroando uma luta de um ano inteiro, o deputado estadual George Soares (PR) comemorou a sanção pelo governador Robinson Faria (PSD) da Lei do Orçamento do Estado 2017, do qual o parlamentar foi o relator na Assembleia Legislativa do Estado. Essa Lei trouxe a destinação de R$ 2 milhões de reais, proposta pelo republicano e aprovada pelos demais parlamentares, para o estabelecimento e funcionamento de Centros de Reintegração Social das Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC).

De acordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias 2017, os recursos, inseridos no Fundo Penitenciário do RN (FUNPERN), são oriundos de emendas parlamentares, portanto, não podem ser utilizados para outra finalidade que não seja o fortalecimento da unidade APAC existente na cidade de Macau ou para criação de novas unidades no Estado.

O sistema prisional do RN encontra-se em uma profunda crise, com rebeliões e chacinas dentro das prisões e atentados nas ruas tendo sido registrados nos últimos dias. Nesse sistema falido, os detentos não possuem nenhuma atividade que lhes possa restaurar e muito menos a capacidade de voltar ao convívio social. A APAC se distingue deste modelo tradicional, porque o preso é tratado com dignidade, porém tem que obedecer a uma rígida disciplina, com o objetivo maior de levar a sua ressocialização.

“O trabalho desenvolvido nas APACs visa não só à recuperação do condenado através da valorização humana, vinculada ao trabalho e à evangelização, mas, sobretudo, a proteção à sociedade e promoção da justiça,” disse o deputado George Soares que tem defendido o sistema APAC em várias discussões na Assembleia desde o início de 2016, como medida para melhorar a segurança pública do Estado.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

ATIVIDADE PARLAMENTAR:

GEORGE SOARES SE REÚNE COM MINISTRO DOS TRANSPORTES
Ainda em Brasília, o deputado estadual George Soares (PR) se reuniu, nesta quarta (08), com o Ministro dos Transportes, Maurício Quintella, e com o presidente do PR/RN, João Maia, para tratar das obras de reforma e melhorias na ponte Felipe Guerra, em Assu.

A maior ponte da BR-304 que liga a capital do RN ao Ceará será totalmente reformada e construída as passarelas de pedestres, além de receber iluminação geral.

O ministro confirmou que a obra terá início no próximo mês e com recursos garantidos para sua conclusão. 

"Fiquei muito feliz de receber a notícia do nosso ministro e de poder através do nosso mandato, ter lutado por essa obra tão importante e sonhada. O Vale do Açu ganhará um cartão postal," afirmou George Soares.

Também estavam presentes na reunião, a prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini e o deputado federal, Beto Rosado.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

AÇÃO PARLAMENTAR:

GEORGE SOARES COMEMORA INÍCIO DAS OBRAS NO CANAL DO PATAXÓ
 
O deputado estadual George Soares (PR) comemorou o começo das obras de recuperação do Canal do Pataxó, iniciadas nessa semana, pelo governo do RN.
A obra está sendo realizada, graças a emenda indicada pelo parlamentar republicano no Orçamento do Estado do ano passado, no valor de 400 mil reais. O canal é de suma importância, fica entre os municípios de Itajá e Ipanguaçu, e leva água a vários municípios do Vale do Açu, através da adutora Sertão-Central-Cabugi.
"Essa obra é de grande utilidade para a recuperação desse importante Canal que leva o bem mais precioso para a vida aos nossos conterrâneos do Vale do Açu. Agradecemos ao governo estadual e seguiremos colaborando com nosso povo nas suas maiores necessidades", afirmou o deputado George.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

A ARTE DE LUTO:

FALECEU, VÍTIMA DE INFARTO, O ARTISTA PLÁSTICO DORIAN GRAY CALDAS
Faleceu na noite de ontem (segunda-feira), 23 de janeiro, no Natal Hospital Center, o artista plástico Dorian Gray Caldas, aos 86 anos de idade, vítima de um infarto agudo do miocárdio.

Doryan já estava internado há 12 dias tratando uma pneumonia e passando por hemodiálise.

Dorian nasceu em Natal no dia 16 de fevereiro de 1930.E
streou na arte em 1950, junto com os primeiros e grandes amigos Newton Navarro e Ivon Rodrigues, no 1º Salão de Arte Moderna de Natal. Seu primeiro livro se deu 11 anos depois, em 1961, intitulado “Instrumento de Sonho”.

Foi assessor da Secretária de Educação e Cultura do Rio Grande do Norte, atuou como conselheiro da Fundação José Augusto, diretor do Teatro Alberto Maranhão e da Escolinha de Arte Cândido Portinari. Em 1983, lançou o livro Feiras e Feirantes e, em 1989, Artes Plásticas do Rio Grande do Norte - 1920/1989.

Era da família Caldas, com raízes no Assu e região. primo do nosso imortal Renato Caldas. Ele também integrava a Academia Norte-Rio-Grandense de Letras.
Foto: Alexandro Gurgel

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

ASSEMBLEIA:

Resultado de imagem para academia assuense de letras 
A ACADEMIA ASSUENSE DE LETRAS - AAL, através de sua Diretoria Executiva, devidamente representada por seu presidente senhor Ivan Pinheiro Bezerra está convocando, através de edital, todos os sócios fundadores e efetivos para Assembleia Geral Ordinária, que será realizada na Casa de Cultura Popular do Assu - Sobrado da Baronesa – situada a Praça Getúlio Vargas, 155 – 1º andar, às 19h00, do dia 27 de janeiro de 2017, com a seguinte ordem do dia:
1- Apreciação, aprovação ou rejeição ao relatório de atividades da gestão 2015/2016;
2- Apreciação, aprovação ou rejeição às contas da diretoria dos exercícios 2015/2016, mediante parecer do Conselho Fiscal.
A Assembleia Geral Ordinária instalar-se-á, em primeira convocação, às 19h00, com a presença mínima de metade mais um dos sócios, fundadores e/ou efetivos representando, no mínimo, 1/3 (um terço) do quadro social, e, em segunda convocação, meia hora depois, não se exigindo quórum mínimo.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

ATIVIDADE PARLAMENTAR:

GEORGE SOARES PARTICIPA DE EXTENSA AGENDA EM ASSU
Nesse domingo, 15, o deputado estadual George Soares (PR) esteve presente, ao lado do prefeito de Assu, Dr. Gustavo Soares (PR), na tradicional Cavalgada de Irmã Lindalva da qual participa desde da primeira que foi realizada, em homenagem a beata Co-padroeira do município, capital do Vale do Açu.

O parlamentar também assistiu ao jogo do Camaleão do Vale no estádio Edgarzão, pelo campeonato estadual de futebol. "Meu compromisso com Assu é de ser um político presente, ao lado dos amigos e do povo," afirmou o deputado.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

PERSONALIDADE ASSUENSE:

PADRE ALFREDO SIMONETTI
Padre JOAQUIM ALFREDO SIMONETTI – PADRE ALFREDO - era filho de Joaquim Alfredo Simonetti e de dona Maria Augusta de Sá Leitão Simonetti. Nasceu na cidade do Assu no dia 24 de outubro de 1932.
Seu batismo foi em Assu no dia 13 de outubro de 1933, sendo oficiante o então Padre Júlio Alves Bezerra. Foi crismado no dia 23 de outubro de 1933, também em Assu, pelo Monsenhor Alfredo Pegado de Castro Cortez.
Estudou o ginásio de 1948 a 1952 no seminário Santa Terezinha, em Mossoró; filosofia de 1953 a 1955, no seminário arquidiocesano São José no Rio de Janeiro e teologia de 1956 a 1959 no mesmo local.
Recebeu a tonsura a 2 de dezembro de 1956, em Assu, sendo oficiante o então bispo da Diocese, Dom Eliseu Simões Mendes. Recebeu as primeiras ordens menores a 21 de junho de 1957, no Rio de Janeiro, em ato religioso oficiado pelo cardeal Dom Jaime de Barros Câmara e as últimas menores recebeu no dia 8 de junho de 1958 pelo cardeal arcebispo do Rio de Janeiro.
O surdiaconato aconteceu no dia 16 de novembro de 1958, também oficiado pelo cardeal Dom Jaime de Barros Câmara e o diaconato no dia 04 de janeiro de 1959, em Assu, em ato oficiado por Dom Eliseu Simões Mendes. O presbiterado aconteceu no dia 26 de julho de 1959, em Mossoró em ato presidido também pelo então bispo diocesano Dom Eliseu. Celebrou a sua primeira missa no dia 2 de julho de 1959, em Assu.  
Foi vigário coadjutor de Areia Branca/RN, de 1960 a 1961. Vigário coadjutor de Assu de 1962 a 1963; em 1964 foi para a Paróquia de São Manoel, em Mossoró. Foi assistente eclesiástico do movimento familiar cristão, em âmbito estadual de 1969 a 1970; assistente diocesano; colaborador da emissora da Diocese de Santa Luzia denominada de Rádio Rural de Mossoró, sob a direção do seu irmão, o também padre, Monsenhor Américo Vespúcio Simonetti.
Lecionou português na Escola Normal e no Ginásio Comercial de Areia Branca. Em Mossoró foi Assistente Diocesano do Movimento Familiar Cristão, professor da Faculdade de Serviço Social, professor de latim no Seminário Santa Terezinha e professor de Psicologia no Colégio Normal.
Em Assu foi professor do Campus Avançado Prefeito Walter de Sá Leitão. No período de 1979 a 1980 padre Alfredo assumiu como Vigário Cooperador da Paróquia de São João Batista e Capelão do Educandário Nossa Senhora das Vitórias. Escreveu peças de teatro, entre estas a que conta a história do Assu.

Faleceu aos 51 anos incompletos, por volta das 8 horas do domingo, dia 20 de março de 1983, no Centro de Treinamento Libânia Lopes Pessoa, em Mossoró. Seu sepultamento ocorreu ás 9 horas da segunda-feira no cemitério de São João Batista, em Assu, após ato litúrgico de corpo presente, presidido pelo bispo diocesano Dom José Freire de Oliveira Neto.

Em Assú existem duas ruas que tem o nome do Padre Alfredo Simonetti como patrono, uma no bairro Frutilândia e outra no bairro Alto São Francisco. Existe ainda a Escola Municipal Padre Alfredo Simonetti, na comunidade rural de Mendobim I.

O advogado provisionado, João Marcolino de Vasconcelos (Dr. Lou), numa de suas “crônica que escrevi para você” levadas ao ar através da Rádio Princesa do Vale, em determinado trecho disse:

“... Nos dias atuais, de desamor ao próximo, de violências sem contas, o desaparecimento de determinadas pessoas, representa uma lacuna dificilmente preenchível no seio das famílias cristãs, no meio das comunidades.

No seu caso, esta lacuna assume dimensões tamanhas, que só o futuro será capaz de medir a sua dimensão. Você, que nasceu com a vocação nata do sacerdócio, encontrou na grandeza moral e cristã do seu lar, o encorajamento e o complemento das virtudes de que era possuidor.

Você herdou de sua generosa mãe aquelas virtudes intrínsecas das almas purificadas e boas, e do seu saudoso pai a vocação para as missões nobres e sublimes, sem temor aos sacrifícios, pois ser bom e servir era o seu lema constante. Você foi o autêntico ministro de Cristo aqui na terra. Poucos como você foram mais fiéis àquela nobilitante missão que o Mestre confiara aos seus discípulos – ide e pregai o Evangelho a todos os povos. Sim, você que abandonara os prazeres materiais da juventude para se tornar o servo e um escravo do Senhor, foi o mensageiro do amor e da bondade, aquela espécie de liame, que é o sacerdote, entre as coisas do céu e os homens de boa vontade aqui na terra.

Ante a gravidade do mal que sobre você se abatera, a certeza de sua morte, embora a todos consternando, era de há muito esperada, talvez até mesmo por você, que a recebera com conformismo e com a resignação daqueles que acreditam na promessa do encontro...
Diante deste fato consumado, que desde ontem cobre de negro o céu da nossa centenária cidade, pois a claridade que emana do sol, não traz a claridade aos nossos corações enlutados, lembro-me daquela passagem do livro sagrado, em que uma mãe, aflita, fora ao encontro do Divino Mestre e lhe pedira para que restituísse a vida do seu filho que morrera. Ouvindo-a, o Mestre dissera-lhe que voltasse à casa, pois seu filho estava apenas dormindo. Não morrera.

Como gostaria, padre Alfredo Simonetti, que você estivesse dormindo, para que, antes do reencontro prometido, pudesse ao acordar sentir o calor da estima de sua terra e de sua gente, e ouvir agora a CRÔNICA QUE ESCREVI PARA VOCÊ”. (LOU).
Fonte: Novo Vale – Ano I nº 22 de 26/03/1983.
Foto: http://jotamaria-simonetti.blogspot.com.br/